Ucrânia organiza negociações de paz na Suíça, embora a Rússia não tenha sido convidada

Qual é o valor das negociações de paz que não são realmente negociações entre os lados em conflito?

O presidente Volodymyr Zelensky da Ucrânia deveria abrir uma conferência de paz na Suíça no sábado, com o objetivo de reforçar o apoio às posições negociais do seu país com o apoio do maior número possível de nações. No entanto, embora a reunião de dois dias tenha emergido como o esforço diplomático mais amplamente aceite até à data para pôr fim à guerra, por enquanto, o esforço exclui a Rússia.

A conferência, realizada numa estância alpina perto de Lucerna, na Suíça, é, em vez disso, uma demonstração de apoio a alguns dos pontos que a Ucrânia expôs na sua proposta e que afirmou serem necessários para trazer uma paz duradoura. O plano suscitou críticas de alguns países, como a China e o Brasil, que afirmam que a Rússia e a Ucrânia precisam de negociar diretamente para ter qualquer oportunidade de pôr fim aos combates.

“Você não negocia com seus amigos”, disse Celso Amorim, principal assessor de política externa do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do Brasil, em uma entrevista. “Você negocia com seus adversários.”

Zelensky disse que a intenção da Ucrânia é negociar colectivamente com a Rússia – depois de construir um consenso entre os aliados de Kiev e o maior número possível de nações neutrais. O plano de paz de 10 pontos de Zelensky envolve a retirada total da Rússia do território ucraniano, o pagamento de reparações e o enfrentamento da justiça por quaisquer crimes de guerra.

Na sexta-feira, o presidente Vladimir V. Putin da Rússia ofereceu seu próprio plano de cessar-fogo, apelando à Ucrânia para que ceda território e às nações ocidentais para levantarem as suas sanções económicas. A Ucrânia denunciou a sugestão de Putin como tendo a intenção de minar as negociações do fim de semana.

Enquanto a Ucrânia trabalhava para criar impulso para a conferência suíça deste ano, promoveu uma reunião que poderia apoiar todas as suas 10 posições negociais. Mas depois reduziu-os para três – segurança nuclear, segurança alimentar e questões humanitárias como a troca de prisioneiros de guerra e o retorno de crianças ucranianas levadas ilegalmente para a Rússia – para atrair países que estavam relutantes em apoiar os pontos considerados menos viáveis.

“Afastámo-nos de situações difíceis que podem dividir os países e aproveitámos apenas três pontos para a primeira cimeira”, disse Zelensky numa entrevista aos meios de comunicação da Ásia Central no mês passado.

A Ucrânia, disse Zelensky, espera um consenso sobre os três pontos, e espera-se que a conferência produza pelo menos um rascunho sobre esses assuntos. Assim que os pontos forem acordados pelos países participantes na reunião, diz ele, serão repassados ​​à Rússia, possivelmente com as Nações Unidas como intermediárias.

“Então veremos se a Rússia quer acabar com a guerra”, disse Zelensky sobre a estratégia diplomática em uma entrevista ao The New York Times em Kyiv no mês passado.

A questão de como a Rússia e a Ucrânia poderiam participar em conversações futuras deverá ser um dos temas de discussão, disseram pessoas envolvidas na preparação da conferência. O chefe de gabinete de Zelensky, Andriy Yermak, disse na terça-feira que espera que a conferência estabeleça as bases para futuras negociações com a Rússia.

Tanto a Rússia como a Ucrânia estão agora a manobrar para obter o apoio de outras nações para os seus formatos preferidos para eventuais conversações, caso estas venham a ocorrer.

A China e o Brasil apoiam uma proposta de negociação separada e não se esperava que nenhum desses países enviasse uma delegação de alto nível para a conferência da Ucrânia neste fim de semana. A Suíça disse que era esperada a participação de delegações de 100 países e organizações, incluindo 57 chefes de estado e de governo.

Houve retrocessos. O presidente Biden, que já viajou à Europa duas vezes nas últimas semanas para um memorial do Dia D e uma cimeira do Grupo dos 7, está a faltar à reunião. A vice-presidente Kamala Harris estará presente em seu lugar.

A ausência da China, o país com maior influência económica e diplomática sobre a Rússia, também colocou em dúvida a relevância da conferência.

E o Brasil evitou qualquer presença de alto nível, embora Amorim, o conselheiro presidencial, estivesse, de qualquer forma, perto de Genebra para uma conferência comercial das Nações Unidas. Amorim disse na entrevista que as negociações de paz que não envolvessem a Rússia eram inúteis.

“Não estou defendendo um lado ou outro, mas estou muito certo de que nada resultará desta reunião na Suíça”, disse ele. “Respeito as intenções, mas é óbvio que nada vai acontecer.”

A China afirmou que 45 países “responderam positivamente” à proposta de conversação brasileira e chinesa, sem citar os nomes dos países. Amorim disse não ter informações precisas sobre quantos ou quais países apoiavam as condições, mas observou que a participação da China, como o país com maior influência sobre a Rússia, era fundamental.

A Ucrânia rejeitou tais negociações.

A Turquia, outro país que tem procurado mediar entre a Rússia e a Ucrânia, será representada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Hakan Fidan, que se reuniu com Putin no Kremlin na terça-feira.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Turquia disse que os turcos consideram as negociações suíças importantes, mas acrescentou: “No entanto, uma conferência com a participação da Rússia terá maiores chances de sucesso”.

Oleksii Polegkyi, diretor acadêmico do Centro de Diplomacia Pública da Ucrânia, disse ao noticiário da televisão ucraniana na quinta-feira que a estratégia de Kiev para a cúpula pode acabar sendo um passo em falso diplomático.

A reunião poderia terminar, disse ele, sem uma declaração afirmando as fronteiras internacionalmente reconhecidas da Ucrânia, uma ausência que poderia permitir a tracção em concessões territoriais num eventual acordo antes de extrair qualquer coisa da Rússia em troca.

Em qualquer caso, disse ele, “as nossas expectativas relativamente a esta cimeira podem ser um pouco exageradas, porque a paz não será alcançada através de cimeiras”.

Mas Maria Zolkina, diretora de estudos de conflito da Fundação de Iniciativas Democráticas, um grupo não governamental, disse que o valor para a Ucrânia da diplomacia em torno da reunião era mais amplo do que apenas o esforço formal para reforçar o apoio aos três pontos do plano de paz de Kiev.

O esforço está a ajudar a promover a visão da Ucrânia de uma ordem pós-guerra na Europa Oriental que impediria o futuro expansionismo russo, disse ela, acrescentando que a Ucrânia queria reunir apoio para conversações nos seus termos, “não começando com propostas chinesas, russas ou de terceiros. ”

Maria Varenikova contribuiu com reportagens de Kyiv, e Safak Timur de Istambul. Anastasia Kuznetsova também contribuiu com relatórios.

Fonte

Compartilhe:

inscreva-se

Junte-se a 2 outros assinantes