Foto instantânea: g1 testa 3 aparelhos que revelam a imagem na hora


“Polaroides” modernas usam filme ou papel para criar resultados no momento, mas têm diferenças nos tamanhos e na foto impressa. O g1 testou modelos da Fujifilm e da Kodak. Como tirar fotos instantâneas mais legais
Tirar uma foto instantânea em 2024 significa muitas coisas além do óbvio, que é capturar a imagem e esperar a cena aparecer no papelzinho (não precisa chacoalhar, viu?). Essa ação pode incluir outros itens, como:
📸 Uma câmera digital que imprime na hora, mas também se conecta ao celular.
🖨️ Imprimir em papel fotográfico com imagens vindas do smartphone.
📷 E usar uma câmera analógica com filme instantâneo.
Para avaliar como é essa experiência, o Guia de Compras testou três dispositivos que levam as imagens ao papel de formas diferentes:
Fujifilm Instax Mini 12
Fujifilm Instax Mini Link 2
Kodak Mini Shot 3
São poucas as opções disponíveis nas lojas on-line para fotografia instantânea. A Fuji tem vários modelos das Instax à venda – a Mini 12 e a Mini Link 2 estão entre os mais novos – e a Kodak lançou recentemente a câmera/impressora Mini Shot 3.
Quem tem saudades das fotos na Polaroid precisa gastar mais. Os modelos mais novos da marca saudosista não estão disponíveis nas lojas nacionais e precisam ser importados dos Estados Unidos ou China, por isso não entraram na avaliação.
✅ Clique aqui para seguir o canal do Guia de Compras do g1 no WhatsApp
Foto instantânea ainda é uma brincadeira cara. Além do preço das câmeras e impressoras, que variava entre R$ 450 e R$ 1.500 em junho, tem o valor do papel de impressão – cada foto acaba saindo entre R$ 2,60 e R$ 5.
Veja os detalhes de cada produto a seguir e, ao final, a conclusão.
Câmera analógica Instax Mini 12
Filme para Instax Mini com 20 poses
A Instax Mini 12 é uma câmera fotográfica analógica com filme instantâneo. É um dispositivo de operação simples e que tira fotos que ficam prontas em minutos.
A câmera custava R$ 450 nas lojas da internet consultadas na metade de junho. Um kit com dois filmes, com 10 exposições cada, saía na faixa dos 80 – cada fotografia custa R$ 4, em média. É o mesmo filme utilizado na impressora Instax Mini Link 2.
Usar a Instax Mini 12 é muito fácil. Basta abrir a tampa traseira para encaixar o cartucho com filme – só alinhar as setas amarelas para não errar – e girar a lente para ligar o dispositivo.
Instax Mini 12 vista de frente e por trás
Henrique Martin/g1
Não pode se esquecer de colocar as pilhas AA no compartimento, senão não funciona. A fabricante não indica por quanto tempo duram as baterias.
Para fotografar, não é preciso configurar nada. Só esperar a câmera identificar de forma automática as condições de luz, o fotógrafo enquadrar a cena no visor óptico e apertar o botão de disparo.
Na sequência, a foto sai pela ranhura na parte superior do equipamento e leva cerca de 90 segundos para revelar e ficar pronta. Um visor na tampa traseira mostra quantos cliques ainda estão disponíveis naquele filme
O flash é automático e não pode ser desativado.
A única configuração adicional está no modo close-up, ativado ao girar mais um pouco a lente. É para tirar selfies melhores ou fotos mais próximas. Um espelho na frente da câmera ajuda a enquadrar melhor a pose na hora da selfie.
Para as selfies noturnas, em ambientes fechados, na comparação com os demais aparelhos do teste, a Mini 12 deixa o rosto com uma iluminação forte, mas não exagerada como da Kodak Mini Shot 3.
É comum esse tipo de câmera criar um “efeito fantasma” meio borrado. A Mini 12 não tem timer, então a foto sai do jeito que estiver posada na hora do clique.
Selfies com flash: Instax Mini 12 (à esquerda), feita no celular e impressa na Mini Link 2 e capturada e impressa na Kodak.
Henrique Martin/g1
O único ponto negativo de usar a Instax Mini 12 é o fato de a câmera ter um botão de disparo bastante sensível. É comum tirar fotos sem querer só de tocar no disparador e “perder” uma imagem.
Os resultados são compatíveis com o que se espera de uma câmera instantânea e essa é parte da diversão de usar um aparelho desses.
As fotos de 62 x 46 mm podem sair borradas, com fundo escuro, com cores estouradas, na captura daquele momento específico. Nessa hora a gente lembra que fotografia não precisa ter tudo em foco com nitidez máxima, como estamos acostumados com as câmeras poderosas dos smartphones.
Fotos feitas com a Instax Mini 12
Henrique Martin/g1
É difícil até comparar os resultados da Instax Mini 12 com os da Mini Shot 3, já que o modelo da Kodak é uma câmera digital com impressora integrada, com fotos em papel diferente, formato maior e que também consegue se conectar ao celular.
Fotografia em papel: como fazer suas fotos impressas e reveladas durarem mais

Impressora Instax Mini Link 2
A Instax Mini Link 2 é uma impressora de fotos que usa o mesmo filme da câmera Instax Mini 12. Desse modo, é possível imprimir fotos direto do celular.
O produto era vendido na faixa dos R$ 920 nas lojas on-line consultadas.
A Mini Link 2 usa uma bateria interna recarregável, com duração estimada de 100 impressões.
Com o filme encaixado no compartimento traseiro, como na Mini 12, basta baixar o app Instax (para iPhone e Android) e conectar os equipamentos por bluetooth.
O aplicativo em português é o grande diferencial da impressora.
Ele acessa a câmera, a galeria de imagens do celular e até mesmo imprime cenas de um vídeo. Tem diversos modos de edição e ajustes da foto.
Na comparação com o app da Kodak, o da Fujifilm oferece mais recursos. Os modos de impressão podem ser definidos como padrão (mais claros e neutros) ou “modo Instax”, para ficar com o estilo das câmeras da marca.
E tem recursos extras na impressora, como o botão na lateral. Ele acende um LED, que pode ser usado para “desenhar com luz” nas fotos feitas pelo celular.
Ao editar e mandar imprimir, o resultado sai pela ranhura na lateral, como na Mini 12.
Os resultados são também similares aos da câmera com filme. Fotos com foco perfeito e nítidas vão sair mais escuras, por exemplo. São diferentes das impressas pelo celular com a Kodak Mini Shot 3, por exemplo. Lá, elas ficam mais claras e “lavadas” se colocadas lado a lado.
Fotos impressas com a Instax Mini Link 2
Henrique Martin/g1
O processo de impressão é diferente do utilizado pela Kodak.
Na Fujifilm, o equipamento utiliza uma faixa de luzes que expõe a imagem no filme – o que é bastante inteligente, já que ela está “criando” uma imagem digital em um meio analógico.
Na Kodak, é um papel especial impresso (como em uma impressora jato de tinta) em vários passos, com uma camada por cor (ciano, amarelo e vermelho) e mais uma protetora contra marcas de dedo e exposição à luz.
Câmera/impressora Kodak Mini Shot 3
Cartucho para câmera Kodak com 30 fotos
A Kodak Mini Shot 3 é uma câmera de 10 megapixels de resolução com uma impressora integrada. A câmera não salva as imagens em sua memória interna nem tem entrada para cartões para armazenamento.
Por conta disso, é preciso fotografar e imprimir ou usar a câmera do celular e deixar a Mini Shot 3 apenas como impressora – desse modo, ela é mais parecida com a Instax Mini Link 2.
A câmera era o produto mais caro do teste, vendida por R$ 1.450 nas lojas on-line consultadas em junho. O cartucho com 30 fotos estava sendo vendido entre R$ 80 e R$ 150 no mesmo período. Cada foto custa entre R$ 2,6 e R$ 5.
O modelo da Kodak utiliza uma bateria recarregável, que dura até 20 impressões, de acordo com a fabricante.
Câmera/impressora Kodak Mini Shot 3
Henrique Martin/g1
A câmera já veio com um cartucho com 30 fotos instalado. Para trocar, basta abrir o compartimento inferior.
Na função da câmera, a Mini Shot 3 oferece funções minimalistas: fotografar, mostrar a imagem na telinha traseira e selecionar para imprimir.
Kodak Mini Shot 3: a tela mostra as 5 últimas imagens capturadas
Henrique Martin/g1
Para ativar o flash, é preciso navegar entre as opções do aparelho.
A fabricante diz ainda que o produto vem com um “espelho para selfie”, que precisa ser colado manualmente ao lado da lente. O da unidade enviada para os testes estava colado em um plástico dentro da caixa e precisou ser encaixado na frente.
Por não ter memória interna, o equipamento consegue guardar de forma temporária até cinco imagens. Se desligar o produto, as fotos se perdem se não forem levadas para o papel.
O processo de impressão é feito em camadas (uma por cor: ciano, amarelo, vermelho, mais uma de proteção) e demora quase o mesmo tempo para as fotos das Instax se tornarem nítidas, em torno dos 90 segundos.
A qualidade das imagens da câmera ao serem impressas é boa, com cores mais fortes e brilhantes na comparação do que ocorre com os produtos da Instax. As impressões saem no formato 7,6 x 7,6 cm, maiores que as da Fuji, de 6,2 x 4,6 cm.
Fotos impressas com a Kodak Mini Shot 3
Henrique Martin/g1
As fotos contam com um acabamento contra marcas de dedos. Segundo a fabricante, as impressões podem durar mais de 100 anos (veja como conservar fotos).
O aplicativo para celular – todo em inglês, como os menus do aparelho – é mais básico que o da Instax Mini Link 2.
Com acesso à galeria de fotos do smartphone, dá para editar as imagens, ajustar brilho, contraste e saturação e definir bordas coloridas – ou como as de negativos de filmes – para as impressões.
Conclusão
Testar três métodos tão distintos para trazer fotos para o papel significa comparar o que é possível, como a qualidade das imagens, a velocidade de impressão, a duração da bateria.
O resultado é um processo bastante pessoal e único – tem quem goste mais das fotos das Instax, pela aura retrô, tem quem goste mais da Kodak, pelo maior brilho e cores.
Na ponta do lápis, quem quer o melhor dos dois mundos na fotografia instantânea deve optar por uma impressora, não por uma câmera.
Selfies feitas com flash automático ou desativado, feitas na Mini 12, Mini Link 2 e Kodak
Henrique Martin/g1
É um equipamento mais caro que a câmera analógica, mas que abre um mundo de possibilidades de usar as lentes e sensores do celular – que são bem melhores – em um formato tradicional e conhecido.
Na comparação entre as impressoras da Fujifilm e da Kodak, a primeira oferece a melhor relação custo/benefício.
Fotos editadas no app para celular e impressas na Instax Mini Link 2 (à esquerda) e Kodak Mini Shot 3 (à direita)
Henrique Martin/g1
Vendida por R$ 915, a Instax Mini Link 2 é um ótimo acessório para o fotógrafo de smartphone que quer tirar fotos com borda e fazer brincadeiras com texto e desenhos na imagem.
A Kodak Mini Shot 3 oferece um formato diferente de imagem e cores mais vivas na impressão. Mas sua câmera pode ser ignorada pela ausência de memória interna e é um produto mais caro, vendido na faixa dos R$ 1.450.
Como foram feitos os testes
As câmeras e impressoras foram usadas por 4 semanas, com dezenas de imagens capturadas. Foram avaliados a facilidade de uso, a duração da bateria, a troca de filme/cartucho de papel durante o uso cotidiano dos aparelhos.
As fabricantes cederam os equipamentos por empréstimo, além de filme/papel adicional. As câmeras e impressoras serão devolvidas.
Esta reportagem foi produzida com total independência editorial por nosso time de jornalistas e colaboradores especializados. Caso o leitor opte por adquirir algum produto a partir de links disponibilizados, a Globo poderá auferir receita por meio de parcerias comerciais. Esclarecemos que a Globo não possui qualquer controle ou responsabilidade acerca da eventual experiência de compra, mesmo que a partir dos links disponibilizados. Questionamentos ou reclamações em relação ao produto adquirido e/ou processo de compra, pagamento e entrega deverão ser direcionados diretamente ao lojista responsável.

Fonte

Compartilhe:

inscreva-se

Junte-se a 2 outros assinantes